Notícias

Talento pode atrair investidores

Talento pode atrair investidores

Fórum para a Competitividade destaca internacionalização e investimento. PIB deve crescer 3% ao ano.

03.07.2017


  PARTILHAR
LinkedIn Twitter Facebook Google+



Nas vésperas da segunda metade da atual legislatura, aguardam-nos “outras exigências: crescer muito mais, reduzir a dívida pública e, em paralelo, criar mais emprego”, sem “deslumbramentos fáceis e passageiros”, declarou na quarta-feira o Presidente da República, na apresentação do relatório “Portugal — Uma Estratégia para o Crescimento”, desenvolvido pelo Fórum para a Competitividade. O documento reúne as conclusões e propostas de 90 profissionais em 10 áreas estratégicas, sobressaindo a nota de que, para estar na rota da competitividade, Portugal deve crescer 3% ao ano, reduzir a taxa de desemprego para 7% e aumentar o nível salarial. Ambicioso? Segundo Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum, “é difícil ter iguais ou melhores condições para o crescimento do que as atuais”.

O que está a falhar?

A “falta de ambição, de poupança e de concorrência”; a classificação de ‘lixo’ por parte das agências de rating; o “excesso de PME [pequenas e médias empresas], que não conseguem pagar salários melhores”; e a “desarticulação entre a educação, a formação profissional e as necessidades para o futuro” são alguns dos entraves ao crescimento detetados pelo Fórum para a Competitividade e enumerados por Pedro Ferraz da Costa. Sobre o último ponto, referente ao capital humano, o responsável apontou o dedo à desarticulação de políticas. “Os ministérios não se entendem e o Instituto do Emprego e Formação Profissional é algo em que nunca se ousa mexer”, acusou. Por outro lado, a “dificuldade em reter talentos” poderá ser consequência não só das condições salariais como das “complicadas” regulamentações laborais, que desencorajam a contratação. Como lembrou o especialista, “o trabalho a título precário não para de aumentar desde 1976”.

Se “o mundo não vai ficar à nossa espera”, como avisou Paulo Portas na abertura da sessão, “temos de escolher os fatores em que podemos ser competitivos”. Comparando o desempenho norte-americano ao do Velho Continente — sem esquecer o vértice oriental —, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros fez questão de frisar que “a economia americana cresce o dobro, o desemprego é metade, a investigação e desenvolvimento é o dobro”, muito devido à flexibilidade da economia. “Um americano muda 10 a 12 vezes de trabalho durante a vida; um europeu muda três a quatro”, ilustrou.

Talento, volta pra trás

Do plano privado, a Fujitsu, a Altran, a Apifarma, a Frulact, a Sugal e o Grupo Luís Simões foram convidados a partilhar visões enquanto casos de sucesso. Para a multinacional japonesa, “a facilidade em encontrar quem domine línguas” e os recursos humanos qualificados foram os fatores que colocaram o país à frente de concorrentes como a Polónia na hora de a Fujitsu escolher o local para implantar centros de excelência. “Não é só uma questão de salário. Numa escala de 0 a 10 de satisfação do cliente, temos 8,9. Os outros países têm dificuldade em chegar a isso”, afirmou o diretor-geral, Carlos Barros.

Por outro lado, convencer potenciais investidores da qualidade dos serviços portugueses requer uma viragem de raciocínio, defende Célia Reis, da Altran. “A nossa grande luta é falar não no custo-homem mas no custo de produção de uma garrafa, se não vamos estar sempre a medir-nos com a Índia ou o Vietname, e haverá sempre mais barato.” Para a diretora-executiva, “trazer trabalho para Portugal” implica “investir na senioridade das equipas, ao nível de competências”. E “os seniores não caem das árvores”, advertiu, reclamando a recuperação dos talentos que emigraram durante a crise com o seguinte argumento: “Ganha-se mais lá fora? Também se gasta muito mais!”

Rute Barbedo 



OUTRAS NOTÍCIAS
Trabalhadores estrangeiros questionam: sair ou não sair (do Reino Unido)?

Trabalhadores estrangeiros questionam: sair ou não sair (do Reino Unido)?


Dos seis emigrantes portugueses no Reino Unido com quem o Expresso falou entre terça e quinta-feira desta semana, nenhum pondera mudar de país nos próximos tempos. “Tenho...

Governo quer chegar aos 176 mil jovens “afastados do sistema”

Governo quer chegar aos 176 mil jovens “afastados do sistema”


Texto Rute Barbedo
Foto Rui Duarte Silva

A partir de segunda-feira, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) espera começar a ver ‘cair inscri&c...

Quando o género condiciona o valor do trabalho

Quando o género condiciona o valor do trabalho


Em sectores industriais como o da cortiça, vidro, construção, têxtil ou calçado, em que vigoram contratos coletivos de trabalho, “muitas vezes são as ...



DEIXE O SEU COMENTÁRIO




ÚLTIMOS EMPREGOS


.NET DEVELOPER @LIDYA - PORTO

Spring Professional Portugal

3PL & DELIVERY MANAGER

Spring Professional Portugal

ACCOUNT MANAGER - PUBLIC SECTOR

Spring Professional Portugal